Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alvor,a terra e a ria

Alvor,a terra e a ria

15
Ago21

O ferro velho, a aldeia e o vinho

Joaquim Morais

 

 

   A chegada do ferro velho, espevitava e agrupava a moçada da aldeia. Conduzidos por juvenil entusiasmo, viam no discreto aflorar do seu sorriso, sobejos motivos de ingénuo contentamento. Juntavam-se à sua volta, e faziam a festa e o cortejo até que o regresso o obrigasse.

   Enquanto criança, habituei-me à sua presença e festejei-a como todas as outras.

   Vinha de fora, dizia-se. Da lonjura que a vista não cobria nas andanças do hábito.

   Por costumeiras, as vindas passaram a ditar ao lugar novas regras: excluir do lixo o conteúdo do pregão, e com isso ainda obter algum proveito.

   O correr do tempo entre visitas, iria lembrá-lo sempre que os eventuais quadros fossem ao encontro das molduras do seu fazer.

   Os ajustes eram feitos por adultos e por jovens, que, entre presenças, iam juntando tudo o que lhes permitisse realizar alguns tostões.

   Quando a sua vinda acontecia, toda a aldeia despertava e punha nele a atenção e o interesse.

 

   Trapos, metal, cobre e garrafas!!! Trapos, metal, cobre e garrafas!!!

   De voz rouca e sem alma, magricela, pálido e olhar distorcido por lentes garrafais, levava a cada rua o favor da recolha do que em cada casa se esgotara no préstimo, e no canto mais escuro aguardava o seu regresso.

   A armação negra e pesada dos óculos, assentava num nariz fino e encurvado, e discordava do rosto, magro e incapaz de mantê-la sem o recurso ao manual ajuste.

   De saco vazio sob o braço, entoava o fanhoso pregão rodeado da pequenada que se agitava num envergonhado rebuliço.

   Aos poucos ia chegando gente, segurando objectos que o tempo desgastara e a serventia enjeitara. Coisas inúteis, que o nosso homem inaugurava e conduzia a uma original cadeia de reconversão que ninguém conhecia.

   Formavam-se filas de interesse e de curiosidade. Desfile de velharias que os olhares esmiuçavam. Algumas suscitavam vagas memórias, que as reviam na função que o tempo esgotara.

   Muitos, de mãos vazias, acompanhavam o cortejo, hesitando palavras e gestos, rindo às escondidas e disfarçando a timidez que a presença de alguém sem laços de proximidade, sempre convocava.

   As lentes, que embaciavam o olhar, levavam-lhe a relativa nitidez das coisas e a decisão do seu valor.

  Da cozinha vinham quase todas as peças que comprava, e às suas mãos chegavam com a certeza da sua completa degradação: louça de alumínio que esgotara a mestria do latoeiro; metais diversos que se haviam corroído nas tarefas da sua utilização; cabeças de fogões a petróleo rompidas pelo aquecimento e uso constante; tecidos que a função desgastara e o saco dos trapos recolhera; garrafas que os temporais de inverno faziam chegar à costa, e a preia mar exibia por entre boias, redes e cordame, que a força do mar enovelara.

   As garrafas, que os novos tempos vulgarizaram, tinham nas vendas avulso de líquidos de consumo diário e corrente dessa altura, a importância que o nosso homem naturalmente percebia. Ao interior chegariam levadas pela bonança calculista do seu saber.

   Importará também dizer, que o nosso amigo ferro velho fazia coincidir as suas deslocações a Alvor, com a abertura do vinho novo nas adegas.

   Por tudo o que se sabe do passado vinícola desta terra, e da excelência dos néctares produzidos, ficará sempre a dúvida sobre as autênticas razões das suas visitas.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub