Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvor,a terra e a ria

Alvor,a terra e a ria

01
Jan21

Alvor, o nascer da ria

Joaquim Morais

  

 

 

 

 

 

   Eram quatro as ribeiras que a natureza adiava nos destinos de mar: na serra de Espinhaço de Cão pelo lado poente, Arão e Odeáxere; na encosta sul da serra de Monchique, Farelo e Torre.

   Delicadas e breves, nunca puderam ousar o oceano que o longe afirmava, e o tempo vestia das cores da sua impermanência. Viam-no das alturas serranas, onde as sujeitavam a frouxidão dos bucólicos cursos.

   Sem a robustez de fartas águas, o jusante oceânico foi um sonho adiado, até que:

 

  -Por bem acharam elementares forças repôr conformidades, concluir inacabada obra, e ao oceano fazer chegar os filhos que a frágil compleição não consentia.

  Nunca o mar vira tempestade tamanha, nunca a terra acolhera igual dilúvio. Ondas invulgares acometeram a praia e o frágil cordão dunar; da terra irromperam serra abaixo inconformadas ribeiras, que acenderam na chuva intensa o sonho das origens.

 

 

   A bonança tomou as rédeas do tempo, o dia nasceu luminoso e quente, e a cria, recém nascida, aconchegou-se na nova moradia festejada em apoteose pela natureza envolvente, agora enriquecida por acréscimo de peso.

   Um imenso estuário surgiu no local da primordial união, e a terra, rasgada pela torrente, acolheu este rossio de água, onde se diluíram particularidades e se encerrou um capítulo da infindável obra planetária.

Ria nascida de singela voluntariedade, esculpida pela rude talhadeira da intempérie na terra agreste e ressequida, que o mar cortejara com cânticos de algas e de ventos.

   Dádiva rara e pura, vestida por calmarias e ventos, que se oferece ao buril das correntes, ao engenho das marés, e generosa acolhe a vida no seu seio.

 

 

 

   Do alto da colina sobranceira ao novíssimo rebento, alguém a quem a tosca lapa abrigara na áspera procela, olha mudo de espanto, o caminho de água que trouxe a seus pés o oceano, e se perde de vista terra adentro.

   Uma agitação receosa domina-o completamente, enquanto o olhar que a estranheza preenche, procura perceber o quadro de terra transfigurada que se estende à sua frente.

   Uma nova luz envolve esta gota de universo, transformada em jardim de silêncio, onde florescem inéditos rumores e se sublimam insólitos perfumes. A festa da unidade reencontrada, é duma sobriedade fascinante, e a vida apresta-se a assumir as formas da nova condição.

   O homem permanece mudo e quedo, suspenso da caprichosa geografia que os dias repetem: fluxos e refluxos de água, do mar e para o mar, cobrindo e descobrindo a terra, talhando pegos e regatos, tecendo remansos e baixios, rendilhados urdidos pela arte das marés, que a baixa mar exibe na intimidade da sua nudez.

   Na passadeira do tempo continuam a desfilar as nóveis ocorrências, que o homem, confuso, procura entender; de andar simiesco e gesto hesitante, amiúde observa demoradamente à sua volta: mão em concha sobre as poderosas arcadas supra ciliares perscruta os horizontes, deles bebendo a idéia da nova realidade, que aos poucos vai acomodando no pequenino reservatório de evidências da sua espartana existência.

   A mansidão do lago que se estende à sua frente deixa-o maravilhado, e a idéia do seu saber depressa se apodera da vontade que o instinto comanda.

   O calor da curiosidade vai aos poucos desvanecendo receios, e dá lugar à aventura da descoberta, e à constatação de toda a generosidade que a ria revela.

   A seus pés há um fecundo útero oceânico que rapidamente se torna conhecido das pequenas comunidades dispersas que à sua voltam se agrupam e decidem novos projectos de vida, colhendo o fruto da árvore dos desmandos da sempre excelente natureza.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub